Victório Galli e os eleitores de Bolsonaro

Meu trabalho incomoda porque desvenda mensagens subliminares homossexuais espalhadas pelo mundo

Por ANDRÉ D'LUCCA 26/07/2017 - 14:36 hs

Carta Aberta ao deputado federal Victório Galli, seus eleitores e os eleitores de Bolsonaro:

Prezados, ontem, fiz um post de divulgação do meu espetáculo "Escola de Bonecas", onde falo de um personagem que é deputado homofóbico e suspeito de assassinar uma travesti, que era sua amante.

 Esse personagem se chama Victório Ramos.

 Para minha surpresa, seus eleitores acharam que eu estava falando do nobre político.

 Um grupo de seus eleitores e de Bolsonaro se organizou para me atacar.

 Ontem, foi o dia inteiro apagando comentários do tipo:

 * Isso é desespero da esquerda pq acabou o bolsa família (kkkkkkkk);

* Galli é evangélico, atacar evangélico é fácil, vai atacar islamistas (??????);


* Marketing errado... (???? Mas vc e milhões vieram à minha página por causa desse post)

 * Bolsonaro 2018 (??????)

 Deputado, quem está colocando essa carapuça em sua cabeça são eles.

 O senhor é um galho, ele é um ramos.

 Estou falando de um personagem hipócrita e recalcado, com sério problemas sexuais, patrulhador de órgãos genitais alheios, mas que não consegue cuidar do próprio órgão excretor.

 Estou falando de um personagem que delira, quase esquizofrênico.

 Esse personagem acha que os "bananas de pijamas" são dois homens de pijama prontos pra dormir, dois símbolos fálicos.

 Meu personagem tem o poder de desvendar mensagens subliminar homossexuais espalhadas pelo mundo. Mas é apaixonado por uma travesti.

 É do senhor que estou falando? Claro que não. Isso é ficção.

 Quanto aos eleitores do Bolsonaro, fiquem tranquilos que o "mito" não merece um post de minha parte.

 Na hora certa, pretendo homenagear o mito com um espetáculo bem lindo, para vocês ficarem bem orgulhosos. Prometo. O mito merece.

 Finalizo convidando o nobre deputado a comparecer na peça para prestigiar nosso trabalho e ver que travestis são pessoas que merecem viver como todas as outras com seus direitos e deveres, pois são cidadãs, humanas, filhas de Deus e têm título de eleitora.

 ANDRÉ D'LUCCA é ator, produtor e diretor teatral em Cuiabá.