Andarilho que carregava cruz por promessa morre atropelado durante peregrinação

Por Camilla Zeni/Hiper Notícias 11/10/2017 - 14:16 hs

Foto: Reprodução

A peregrinação de Paulo Cícero de Lima, de 56 anos, que percorreu diversas rodovias brasileiras sob dias de sol intenso, chuvas e noites frias, e que esteve em Mato Grosso no mês de março, chegou ao fim. O andarilho teve sua jornada encerrada na semana passada, quando foi atropelado por um carro enquanto caminhava pela rodovia Fernão Dias, já próximo ao município de Cotia, no interior de São Paulo. O sepultamento aconteceu nesta terça-feira (10).

De acordo com os sites de notícia de São Paulo, o acidente teria acontecido durante a noite de quinta-feira (5). Ele, que estava iniciando uma nova peregrinação, sofreu diversas lesões e foi encaminhado a um hospital da região em estado grave. No entanto, o andarilho não resistiu e morreu ao dar entrada na unidade médica. Conforme as informações, a família demorou a saber do fato e apenas nesta segunda-feira (9) deu entrada nos trâmites legais para retirar o corpo do Instituto Médico Legal (IML).

Paulo Cícero fazia peregrinações por todo o país carregando uma grande cruz de madeira de 40kg como protesto por uma injustiça que sofreu. Ele, que era pedreiro, foi acusado de ter matado uma jovem de 21 anos no interior de São Paulo a marretadas, em 1993. Por 16 anos, ele permaneceu preso e foi liberado apenas em 2009 após passar por mais de 14 presídios. Em todas as entrevistas concedidas, ele afirmava não ter sido o autor do crime.

As peregrinações começaram após um sonho que Paulo Cícero teve com Maria. Em entrevista ao Correio Braziliense, quando passou pela Capital Federal, ele se disse devoto de Nossa Senhora e afirmou que, no sonho, ela dizia que intercederia por ele caso ele carregasse uma cruz”.

O andarilho passou em Mato Grosso no final de Março e, à Concessionária Rota do Oeste, empresa responsável por trechos de rodovias no estado, disse que não tinha rumo certo. No entanto, sonhava chegar com a peregrinação aos Estados Unidos. A jornada, no entanto, se encerrou em Rondônia, onde chegou no final de maio. Sobre uma ponte de Porto Velho, ele jogou sua cruz no Rio Madeira e, assim, terminou mais uma andança após caminhar mais de 2 mil quilômetros em cerca de um ano.