A importância da pré-escola no desenvolvimento integral da criança

Por Izabel Cristina Vale 14/02/2018 - 18:26 hs

Foto: Reprodução

 

A criança tem sua identidade construída dentro do contexto familiar e também em outros universos sociais da qual ela participa: comunidade, igreja e a escola. Observamos em nossa sociedade grande diversidade étnica e cultural que se apresenta de acordo com cada região e isso repercute na criança, na escola e nos professores. Ao ingressar na pré-escola, a criança amplia suas possibilidades de convivência com diferentes pessoas e realidades as quais incluem hábitos, brincadeiras etc. Nesse contexto, pressupõe-se que a instituição de ensino deve ser responsável por promover a valorização das características de cada aluno dentro da sociedade escolar, deve também  auxiliar no desenvolvimento da criança em diferentes aspectos dentre eles: a descoberta e/ou reconhecimento da sexualidade, percebendo suas diferenças, bem como a individualidade do outro (RCNEI, MEC 1998). Sendo reconhecida como ser social, ela quer estar próxima, interagir e aprender com outros indivíduos através de vínculos que se estabelecem. Nos processos de interação e aprendizagem entre crianças e adultos, são criados instrumentos capazes de desenvolver à autoestima, o faz-de-conta, escolhas, imagem e cuidado, os quais possibilitam aproximação e o autoconhecimento. Entendemos que a educação infantil vai de 0 a 5 anos. Nessa faixa etária os cuidados dedicados às crianças são fundamentais, pois as estimulam a perceber o mundo e compreender de que forma ela deve agir diante dele.

Pensando nisso, os objetivos, dispostos no Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil (1998), nos possibilita uma melhor compreensão das diversas fases do desenvolvimento da criança na realização de tarefas que envolvem cooperação, solidariedade, respeito, valorização da cultura dentre outros valores na relação social. A pré-escola precisa ser compreendida, portanto, como um meio de desenvolver todas as potencialidades e habilidades das crianças e não só como um meio de prepará-las para a série seguinte. Deve se respeitar a idade da criança a fim de auxiliar o seu desenvolvimento por completo, preparando-a para o convívio em sociedade. Os professores que trabalham com a Educação Infantil devem ter um aporte teórico que lhes dê condições de trabalhar de forma conveniente com as crianças, é necessário que eles recebam uma preparação e formação específica na área em que atuam. Devem receber também orientação psicológica para saber lidar com os problemas dos alunos. Precisam estudar para ter consciência  se determinado comportamento que a criança apresenta é normal para a sua idade. Acreditamos assim, na importância de uma formação adequada em que o professor possa consolidar uma educação que favoreça o desenvolvimento das habilidades, das potencialidades, da criatividade, e da criticidade, dos seus aprendizes para que, enfim, se concretize o desenvolvimento integral da criança.

Devemos ainda dar atenção as experiências no processo de ensino aprendizagem do aluno que segundo a Resolução CNE/CEB nº 05/09 podem ser selecionadas para compor a proposta curricular das unidades e Educação infantil.

Assim estas experiências apontadas tem o objetivo de promover oportunidades significativas na pré-escola para cada criança conhecer o mundo e a si mesma, aprender a participar de atividades individuais e coletivas, a cuidar de si e a organizar-se. Para que ela tenha a satisfação durante o processo de aprendizagem de poder explorar e conhecer o mundo apresentado em sala de aula adequado ao seu desenvolvimento.

Tais indagações obrigatoriamente devem estar presentes na unidade escolar tendo ainda outra prevista e discorrida nas DCNEIs que tratam do assunto sendo: o compromisso com uma Educação infantil de qualidade para todas as crianças não deixando de ressaltar o trabalho pedagógico com as crianças com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades.

A criança que passa pela pré-escola, já chega na escola formal como sujeito participante das e nas ações propostas naquele ambiente e tem maiores possibilidades de se desenvolver, tendo autonomia, boa expressividade oral e corporal enriquecendo também, os aspectos favoráveis ao seu amadurecimento intelectual. De acordo com Rainha (2006), as interações que ocorrem no contexto escolar são marcadas pela afetividade em todos os seus aspectos. Sendo assim, não cabe a pré-escola apenas a função de brincar. Seu papel vai muito além disso, envolve uma relação entre os aspectos cognitivos e afetivos. Os afetos são demonstrados em várias situações, envolvendo toque e aconchego, valorização pessoal da criança, incluindo a necessidade de ser ouvida e admirada e o cuidado com suas necessidades físicas. As relações de amizade, construídas nesta fase da vida colaboram para a aquisição de valores que podem servir para toda a vida. Assim, o primeiro momento escolar é o marco no processo de construção de respeito, afetividade, das relações de convívio e atitudes sociais que impulsionam o desenvolvimento da criança de forma satisfatória. Esses fatores dependerão principalmente da atuação do professor, mediante as situações vivenciadas pela criança na pré-escola, onde estão distantes da família e, portanto, mais vulneráveis a todas as descobertas que influenciarão as suas ações na vida.  Deve-se pensar na figura do professor como mediador das experiências vivenciadas. Durante os processos educativos, um simples gesto do professor pode influenciar na vida do aluno, tanto no aspecto positivo como no negativo. Um simples olhar, um sorriso, um afago pode interferir significativamente na vida do aluno, nos momentos em que ele permanece na pré-escola. O professor tem a capacidade de transformar sentimentos.                                    

Sobre esse assunto, Freire (1999) comenta: “Às vezes mal se imagina o que pode causar na vida do aluno um simples gesto do professor.” Assim quando se fala em infância não podemos deixar de destacar a importância da pré-escola infantil nestes últimos anos na vida da criança, como grande influenciadora do processo de ensino aprendizagem e também da sua vida. 

 Para isto os desafios da pré-escola na atualidade são muitos, pois cada vez mais as famílias dependem de um lugar que a criança possa ficar enquanto os pais trabalham um lugar onde o educar e o cuidar andem juntos.     Por isso a educação pré-escolar vem ganhando seu espaço e qualidade, sobretudo no que diz respeito às organizações curriculares e o surgimento de leis que defendem e garantem esta qualidade, nesta perspectiva a criança é construtora de sua própria história e considerada sujeito histórico. Por fim  todos aqueles que atuam na área da pré-escola precisam ter  um maior conhecimento quanto a sua importância  no desenvolvimento integral da criança, junto à inserção dela na educação formal, ou primeiro ano propriamente dito, além de possibilitar uma maior clareza, para o atendimento de qualidade nesse nível de ensino que é garantir o conhecimento para integrar o educar e o cuidar da criança.

Izabel Cristina Vale

Mestre em Ciências da Educação.