Sem repasses do estado, Beto já investe mais de 50% da receita municipal na saúde

Dívida do estado com o município ultrapassa os R$ 8 milhões

Por Secom-BG 08/02/2019 - 09:33 hs

Foto: Reprodução
Sem repasses do estado, Beto já investe mais de 50% da receita municipal na saúde
Reunião no Gabinete do Prefeito Beto Farias

A prefeitura de Barra do Garças está comprometendo mais da metade da receita municipal na saúde pública. Isso ocorre, porque, segundo o prefeito Roberto Farias (MDB), desde setembro, o estado de Mato Grosso não tem cumprido com os repasses obrigatórios ao setor. Nesta semana, em reunião com o Conselho Municipal de Saúde, o gestor manifestou preocupação com a situação dos serviços, caso o governo estadual não normalize o envio de recursos.


Segundo levantamento da Secretaria Municipal de Saúde, a inadimplência do estado com Barra do Garças soma o total de R$ 8,3 milhões. A dívida é de 2018 e não inclui anos anteriores já judicializados. Segundo afirma o prefeito, com atrasos constantes comprometendo as finanças, o município tem feito milagre para não deixar que as estruturas de saúde fechem as portas. Hoje 53% da receita municipal é comprometida para sanar as demandas do setor.


Só na média e alta complexidade hospitalar, a dívida é de R$ 6,4 milhões. A UTI espera pelo valor de R$ 414 mil, já na atenção primária e assistência farmacêutica, o débito chega a R$ 1,1 milhões. Quanto aos repasses referentes a regionalização e ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento e Implementação dos Consórcios Intermunicipais de Saúde (Paici), o município também aguarda que o estado salde uma dívida de R$ 378 mil.


“A situação é preocupante. O dinheiro do governo, além de ser pouco, não é depositado em dia. Desde o mês de setembro o município não recebe um centavo sequer do Estado. É humanamente impossível manter os serviços de saúde dessa forma”, após reunião com os conselheiro, acompanhado da secretária de Saúde Clênia Monteiro. “Chega a me dar dor de cabeça só de pensar como vamos cumprir com nossas obrigações. A prefeitura não tem mais de onde tirar.”


Segundo o prefeito, o município tenta fazer sua parte e não deixa de investir no sistema de saúde. Ele mencionou reformas e construção de unidades básicas de saúde, a construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), a reforma no Pronto Socorro e a ampliação da UTI. Roberto Farias afirma que mesmo tendo sido recebido pelo ministro da Saúde em três oportunidades, os problemas ainda continuam. “Vou cobrar do governador Mauro Mendes. Caso o estado não honre os compromissos, não sei o que fazer”, ressalta.