Instalação de fábrica em Alto Araguaia atrai autoridades para primeira audiência pública

Em pico de geração de emprego, indústria deve oferecer 8 mil vagas, durante instalação do empreendimento

Por Kayc Alves/Da Redação 23/03/2019 - 11:16 hs

Foto: Reprodução
Instalação de fábrica em Alto Araguaia atrai autoridades para primeira audiência pública
Governador de Mato Grosso, Mauro Mendes discusando

A audiência pública sobre a instalação de uma fábrica de celulose em Alto Araguaia contou com a presença do governador Mauro Mendes (DEM), entre outras autoridades. Ocorrido nesta sexta-feira (22), o evento inicia a discussão sobre o que deve ser o maior investimento privado do estado de Mato Grosso. Segundo o empreendedor, o município tem todas as características para receber a indústria.


O evento é uma exigência técnica da legislação brasileira, como parte do processo de licenciamento ambiental do empreendimento. A fábrica da Euca Energy tem previsão para início de funcionamento em 2021, isso se conquistar, junto à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), as licenças prévia, de instalação e de operação.


Em um investimento estimado em R$ 9,5 bilhões, a fábrica terá capacidade para produzir 2 milhões de toneladas de celulose branqueada, por ano. A matéria prima é a tora do eucalipto, além de diversos insumos químicos. O empreendimento também tem capacidade de produzir 372 MW de energia para o próprio consumo e 171 MW de excedente, para venda.


A expectativa é que o investimento dê um bum na geração de renda do município e da região. É esperado uma média de 4 mil vagas de emprego durante a instalação da fábrica, com um pico de 8 mil postos. Durante a operação, a Euca deve empregar 1.200 pessoas.


“Essa região é importante para Mato Grosso, tem muita potencialidade, prova disso é que o empreendedor escolheu Alto Araguaia para colocar talvez o mais importante projeto na atualidade do estado em desenvolvimento”, afirmou o governador Mauro Mendes.


Acompanhado de sua comitiva, ele destacou que o estado deverá atuar em infraestrutura na região, para o bom andamento da fábrica. “Temos desafios e vamos enfrentar esses desafios para melhorar a logística no entorno da cidade e da região sul. E a partir de abril ou maio, teremos grandes novidades, reiniciando muitas obras que foram paralisadas na região.”


O prefeito de Alto Araguaia, Gustavo Melo (PSB), disse que sente um alinhamento entre o governo do estado e os municípios do sul, para a disposição da logística necessária ao empreendimento. Ele confirmou uma reunião na manhã deste sábado, entre as autoridades estaduais e os prefeitos da região.


“Estamos aqui para apresentar algumas demandas em parceria com o governo do estado. O que nós queremos é transformar essa região num verdadeiro corredor logístico de Mato Grosso. Então nós precisamos apresentar soluções viáveis e não apenas cobrar.”


No que tange a disposição de matéria prima, a região já é farta. Segundo o presidente do conselho administrativo da Euca Energy, e fundador da empresa, Gilberto Flávio Goellner, são necessários 130 mil hectares de eucalipto plantados para o início das atividades da fábrica. Ele informa que Alto Araguaia já tem 110 mil e o resto espera ser plantado ainda este ano.


“Alto Araguaia foi escolhida pelas condições ideais de se implantar um projeto de celulose. Então a gente pede desculpas para os outros municípios do estado, por não ter as mesmas condições de altitude, de precipitação pluviométrica, de viabilidade do eucalipto e principalmente a logística ferroviária e a distância até o Porto de Santos.”


Também presente no evento, o deputado estadual Delegado Claudinei (PSL), destacou que todos os setores do município têm a ganhar com o investimento. Ele lembrou do objetivo da audiência pública, que é debater os efeitos ambientais.


“É importante apresentar a questão de impacto ambiental, porque a gente sabe da importante da fábrica para o desenvolvimento aqui da região, mas a gente tem essa preocupação também com o meio ambiente.”


O deputado federal Juarez Costa (MDB) classificou a instalação da indústria como um “marco para a história dos 80 anos de Alto Araguaia”. “A classe política está aqui por entender que é um alto investimento e a própria sociedade tem que se despertar para isso, para as mudanças que vão acontecer.”


A audiência também despertou a atenção de autoridades e órgãos dos municípios próximos. De Santa Rita do Araguaia (GO), cidade ao lado, veio a presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município, Ronise Souza Meneses. Para ela, o empreendimento é importante pela possibilidade de geração de renda e emprego. “Nós temos interesses em fazer parcerias com os agricultores e produtores para plantar eucalipto. A empresa vai influenciar muito nos municípios vizinhos.”