POLÍTICA Sexta-feira, 11 de Agosto de 2023, 10:11 - A | A

11 de Agosto de 2023, 10h:11 - A | A

POLÍTICA / Assessor do gabinete

Ex-vereador acusado de vários crimes é contratado pela de prefeitura de Nova Nazaré

Para fugir da prisão, ele usava a identidade de um parente morto e atuava como presidente da Câmara da cidade

Rogério Júnior e Ianara Garcia
g1 MT e TV Centro América



O ex-vereador conhecido como Márcio Túlio (PSDB), cujo nome verdadeiro é Valdoir Bento Tavares, foi contratado como assessor no gabinete do prefeito João Filho (PSDB), de Nova Nazaré, a 800 km de Cuiabá. Ele é acusado de duplo homicídio e perdeu o mandato de vereador por causa de envolvimento em organização criminosa, segundo a Justiça Eleitoral. Ele chegou a ser preso no ano passado, mas foi solto meses depois.

Tavares ainda responde por outros crimes, como ameaça, furto de gado, apropriação indébita e direção perigosa. Há mais de 10 anos, ele teria usado um nome falso de um parente morto para se eleger como vereador e chegou a atuar como presidente da Câmara Municipal.

O g1 entrou em contato com a defesa de Tavares e com a Prefeitura de Nova Nazaré, mas, até a última atualização desta reportagem, não houve retorno.

No Portal da Transparência da prefeitura, Valdoir aparece como assessor externo do gabinete do prefeito. O salário dele variou de R$ 5 mil para R$ 5.321 entre janeiro e junho deste ano.

Segundo testemunhas, ele raramente é visto dentro da administração pública do município.

Reprodução

Folha de pagamento

Portal da transparência

Perda de mandato

Em março do ano passado, a Justiça Eleitoral determinou o afastamento de Tavares do cargo de vereador. Ele também atuou como presidente da Câmara na cidade e foi eleito usando um nome falso.

Na decisão do juiz eleitoral da 30ª Zona Eleitoral, Jean Louis Maia Dias, a permanência dele no cargo público poderia incentivar a continuidade de práticas ilegais.

Segundo o magistrado, o fato do parlamentar integrar organização criminosa com a finalidade de apropriar-se de dinheiro justifica a aplicação de medida cautelar de suspensão do exercício da função pública.

"Mesmo que eleito para nova legislatura, pode ensejar a continuidade das atividades ilícitas em apuração", disse na decisão.

Crimes

Em 2007, Tavares e o irmão, Valteir Bento Tavares, se envolveram em uma briga com outros dois homens na festa de réveillon próximo a uma casa noturna, em Ariquemes (RO).

As vítimas foram identificadas como Éder da Silva Martins e Edeilson Moura dos Santos, que morreram a tiros. Outra pessoa também foi baleada, mas conseguiu fugir a tempo.

A motivação da briga, segundo o processo, seria por causa de uma vaga de estacionamento. No ano passado, Tavares chegou a ser preso por participação no crime.

A investigação da Polícia Civil apontou que, pela Comarca de Ariquemes, ele e o irmão respondiam por tentativa de homicídio e duplo homicídio, sendo considerados foragidos.

Ao ser descoberto com a identidade falsa, Tavares foi autuado por falsidade ideológica e ainda por posse ilegal de arma de fogo, segundo a polícia. O irmão dele estaria preso em Aruanã (GO), onde responde pelo crime cometido em 2007.

 Entre no grupo do Semana7 no WhatsApp e receba notícias em tempo real (Clique AQUI).

CâmaraBG agosto

 



Comente esta notícia