ALFINETE Quarta-feira, 15 de Maio de 2024, 16:09 - A | A

15 de Maio de 2024, 16h:09 - A | A

ALFINETE / CONFRESA

Demissões, crise financeira e ano eleitoral



As demissões de dois funcionários interinos da Prefeitura de Confresa, (a 1.049,5 Km a Nordeste de Cuiabá), em abril, provocaram abalos nos quadros políticos tanto na cidade, (a principal referência econômica da região), quanto em comunidades do interior do município. A primeira a ser demitida, em 14 de abril, foi a diretora da APAE, Maria Conceição Carlos do Nascimento (Maria Carla), o que causou revolta em funcionários, assim como pais e professores. “Os alunos foram prejudicados”, disse Anderson, defensor da instituição e frisou que “o prefeito não pensou nos alunos”.

O segundo da lista macabra foi Plínio Teles, popularmente conhecido como Plínio da Ambulância, (dia 29), e também sem indicar motivos que justificassem sua exoneração. A versão sustentada pelo agora ex-servidor, é ter sido vítima de perseguição política por não ter participado de uma reunião e se negado a assinar uma ficha partidária de aliados do prefeito Ronio Condão Barros Milhomem (PP).

No que diz respeito à demissão do motorista, a reportagem deste portal de notícias falou com a secretária municipal de Saúde, Edna Reis, que deixa transparecer que a razão foi motivada pela atual contenção de gastos da administração, que tem à sua frente Rônio Condão. Como médico, Condão sabe como ninguém que a saúde pública é essencial à sua população e cabe a ele nesse momento vir a público e provar que as demissões, até aqui, tanto da diretora Maria Carla quanto a de Plínio não têm conotação política.

E, mais ainda, o prefeito, até por uma questão de racionalidade, deve indicar os substitutos da diretora e do motorista, e saber antes de tudo que os novos egressos de sua administração são apadrinhados, ou por indicados por seus correligionários em pleno ano eleitoral. São muitos aqueles os que formam a voz popular de Confresa, que nesses últimos dias reclama em alto e bom som que as demissões deixam, em tese, rastro a conveniência política, até porque a ambulância precisará de um novo motorista, assim como a APAE de uma nova direção. (Da Redação)

Entre no grupo do Semana7 no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI



Comente esta notícia