POLÍCIA Sexta-feira, 06 de Outubro de 2023, 07:49 - A | A

06 de Outubro de 2023, 07h:49 - A | A

POLÍCIA / LAVAGEM DE DINHEIRO

Grupo suspeito de movimentar R$ 170 milhões do tráfico é alvo de operação

Os investigadores cumprem 25 mandados de busca e apreensão na capital, em Aragarças (GO), Anápolis (GO), Sorocaba (SP), São Paulo (SP), Pau dos Ferros (RN), Arapiraca (AL) e Salvador (BA)

g1 DF



A Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou, nesta quinta-feira (5), uma operação que investiga um grupo suspeito de movimentar R$ 170 milhões — R$ 4 milhões apenas no DF — com tráfico de drogas no Brasil em apenas 3 anos.

A suspeita é de que os criminosos usavam empresas fantasmas e laranjas para lavar o dinheiro. Para ocultar os valores, os suspeitos também compravam imóveis e carros de luxo, apreendidos na primeira fase da operação. 

Os investigadores cumprem 25 mandados de busca e apreensão na capital, em Sorocaba (SP), São Paulo (SP), Pau dos Ferros (RN), Arapiraca (AL), Salvador (BA), Anápolis (GO) e Aragarças (GO). Segundo a Polícia Civil, as empresas de fachada serviam para lavar dinheiro e para aquisição de drogas nas regiões de fronteira entre o Brasil e a Bolívia.

De acordo com a corporação, o esquema ainda recrutava "cidadãos comuns", que se tornavam laranjas. Essas pessoas eram instruídas a ir em bancos, onde recebiam grandes quantias de dinheiro e depositavam nas contas das empresas de fachada.

Além dos mandados de busca e apreensão, os policiais também bloquearam contas bancárias de 12 empresas e de 21 pessoas. A ação foi conduzida pela Coordenação de Repressão às Drogas (Cord).

Primeira fase

Essa é a segunda fase da operação "Padrino". A primeira ocorreu em maio deste ano, quando os policiais cumpriram 80 mandados de busca e apreensão e 14 de prisão temporária no DF, Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Ceará.

De acordo com as investigações, a organização estava envolvida no transporte de grandes quantidades de cocaína da fronteira do país até o DF.

À época, a Justiça determinou ainda o bloqueio de cinco imóveis e 20 veículos de luxo, que teriam sido comprados para ocultar os valores recebidos por meio ilegal.



Comente esta notícia